Seja Bem-vindo, 15 de abril de 2024

Seja Bem-vindo
15 de abril de 2024

INÉDIA – Número 1

11 de junho de 2022   .   
Compartilhe

Iª parte:
Introdução
O texto que aqui produzi e organizei sobre Inédia, eu tomo de três textos de parapsicólogos diferentes, e faço uma organização dos estudos, na ordem que julguei para melhor compreensão do internauta. Tomando em muitos casos, de cada autor parágrafos inteiros, como citação que faço, algumas vezes acrescento de minha parte algumas frases complementares tanto antes, durante e no fim de parágrafos destes autores. Isto na tentativa de elucida-los melhor para você internauta. Alguns subtemas também os criei para tornar o texto mais didático e menos cansativo.

O assunto em si é bem raro: Inédia. E a única corrente de parapsicologia, no Brasil, que apresenta este estudo é a ligada ao Instituto Pe. Quevedo parapsicologia. Pelo menos na pesquisa que fiz só encontrei nela. Mesmo assim o estudo não é amplamente estudado como os demais temas desta corrente de parapsicologia.

Como disse anteriormente, mesmo o assunto não sendo amplamente estudado como os demais temas da corrente de parapsicologia citada, o artigo com esta temática por ser um pouco longo, para facilitar a compreensão do leitor o dividi em oito partes, tornando-o mais didático.

Reflita e Analise a primeira parte:
– Você já ouviu falar deste tema? Quando e quais situações? O que achou?

IIª parte
Fenômenos de efeitos mistos (psicofísicos)
Você internauta pode verificar que já publiquei na página do faceboock um artigo no Site Emana & Parapsicologia que foi: SEGUNDA PARTE – CLASSIFICAÇÃO DOS FENÔMENOS PARANORMAIS OU PARAPSICOLÓGICOS, destacando mais a visão da escola de parapsicologia ligada ao Pe. Quevedo. Você sabe que uma das classes de fenômenos são: Fenômenos de efeitos mistos (psicofísicos). E este tema que vamos abordar, que a Inédia, está nesta classe de fenômenos.

Fenômenos psicofísicos
“Os fenômenos psicofísicos “são elaborações mais complexas, envolvendo a vontade psíquica (quase sempre inconsciente) e as reações imprevisíveis do corpo no tocante a essa vontade. Isto é, acontecem de dentro para dentro.

“Expressam o poder incontrolável e despótico da mente sobre o físico, exigindo de nós um esforço sempre maior para chegar a sua real compreensão”. (FILHO, p. 61)

Inédia – o que vem a ser?
Podemos chamar a Inédia também de “viver sem comer” e de “Jejum prolongado”. “É a capacidade de uma pessoa viver sem comer e sem beber e, ainda assim, continuar crescendo por uma vida inteira, às vezes cinquenta ou mais anos. Isso parece desafiar totalmente as leis da natureza, da biologia e da medicina. É um fenômeno natural com causas naturais.

Os casos mais conhecidos no mundo inteiro, apesar de não ser muitos, são exaustivamente acompanhados e estudados na parapsicologia. Todos eles trazem como caraterística comum quase exclusivamente em mulheres… Propondo inserir a inédia entre os casos típicos de histeria”. (FILHO, p. 61-62). Mas é claro existem também entre os homens.

“Viver sem comer e ainda por cima crescer, se são jovens. Parece desafiar as leis da natureza…” (OEPNET)

Reflita e Analise segunda parte:
– Comente: Podemos chamar a Inédia também de “viver sem comer” e de “Jejum prolongado”.
– Comente: “É um fenômeno natural com causas naturais”.
– Comente: “Propondo inserir a inédia entre os casos típicos de histeria”.

IIIª parte
Casos mais conhecidos – Católicos
Eis aqui alguns casos mais conhecidos de Inédia pelo lado católico. Ligados a vida religiosa. “Só se alimentavam com a eucaristia:
– Santa Catarina de Siena – 8 anos – quase morre por obedecer ao confessor e comer. – Vivia bem só com a Eucaristia.
– Teresa Neumann: durante os 15 dias de vigilância, é própria de quem se “come a si mesma”; nove dias depois desse período, é igual a de quem se alimenta normalmente.
– Pe. Pio Pietralcina – frequentes de 21 dias – quiseram suprimir a comunhão e quase morreu.
– São José de Cupertino – total 5 anos, sem beber 15 anos
– Beato Nicolas Von Flue – 19 anos – Só Eucaristia uma vez por mês. Ótima verificação científica.
– Santa Catarina de Gênova – inédias temporais, prolongados êxtases.
É claro que aqui são alguns casos católicos. Para não alongarmos mais esse artigo deixei de colocar outros nomes”. (OEPNET)

Casos Não Católicos
“Estudados por Charcot (pesquisador da histeria) e Richet (pioneiro da parapsicologia)
– Zélie Bourriou – 9 anos
– Elizabeth (luterana – 1933) – 6 semanas.
– Apollonia Schreirer (Suiça) – 11 meses
– Margaret Seyfrit – 12 anos
– Uma jovem judia na Rússia – 2 anos.
– Louise Anglefort (França) 3 anos e meio
– Uma jovem na Arábia que acreditavam possuída pelo demônio – 70 dias” (OEPNET)

Reflita e Analise a terceira parte:
– Comente: “Só se alimentavam com a eucaristia”.
– Comente: “Estudados por Charcot (pesquisador da histeria) e Richet (pioneiro da parapsicologia)”.

IVª parte
Em relação a santidade
“A Igreja nunca considerou a Inédia como milagre nos processos de beatificação e canonização. Em outras palavras, mesmo alguns santos e santas que tiveram a Inédia, não foi isso que os levou a santidade”. (OEPNET)

Predomínio dos casos
“Em todos os casos religiosos ou não, predominam as mulheres. Inúmeros casos tiveram início na puberdade feminina.

Muitas vezes, senão todas, a doente foi submetida a uma dura prova psicológica ou tem motivo para estar obcecada por uma ideia dolorosa”. (OEPNET)

“Anorexia nervosa: preferentemente em meninas de 10 a 20 anos que rechaçam inconscientemente a mãe (discutível e muitas vezes errada; há certos traumas). Negam o próprio corpo, suas necessidades de alimentação, seu instinto amoroso e sexual de reprodução; resultando tudo isso num desejo de fuga, de enclausuramento e às vezes num desejo de autodestruição. Por isso psicologicamente recorrem a anorexia. Daí, se estas pessoas não forem curadas, morrem”. (OEPNET)

“Anorexia religiosa: neste contexto, pode significar o pouco caso que se faz da vida aqui e o que ela representa face ao amor do Esposo celeste e na expectativa do Reino Prometido. Cessam o apetite, as regras femininas, a jovialidade de vida; e com isso o desprezo do corpo. Cisão na autoimagem. Daí também, se não forem curadas, morrem”. (OEPNET)

Reflita e Analise a quarta parte:
– Comente: “A Igreja nunca considerou a Inédia como milagre nos processos de beatificação e canonização”
– Comente: “Muitas vezes, senão todas, a doente foi submetida a uma dura prova psicológica ou tem motivo para estar obcecada por uma ideia dolorosa”.
– Comente: “Daí, se estas pessoas não forem curadas, morrem”.

Vª parte
A escola de parapsicologia ligado ao Pe. Quevedo (falecido). Principalmente ele mesmo frisava sempre que os fenômenos parapsicológicos tem que ser analisados criteriosamente com rigor cientifico, porque são muitas trucados. Ocorrendo fraudes.

Existem muitos truques
– “Quando não se trata de pura sem-vergonhice, o trucador é histérico.
– Doença psicológica. Pode recorrer a truques inconscientes, ou conscientes irresponsáveis. Todos os graus. Por isso a necessidade de que o controle seja feito por mágicos.
– Uma moça com inédia foi vista chupando chocolate que saia da cama de ferro enquanto fingia dormir.
– O caso mais célebre de fingimento: freira franciscana: Madalena da Cruz, que enganou a todos.
– A planta coca adormece a fome e a fadiga: um tipo de pedra aplaca a sede: combinando estes dois sistemas, se evita o sofrimento dos faquires nas suas demonstrações. Com truques supre o alimento e a água.
– A Dra. Therese Brosse, de Paris, estudando os iogues na Índia, verificou que eles conseguiam regular os movimentos anais, podendo aspirar água ou leite pelo reto, e assim alimentar-se sem o auxílio de qualquer instrumento”. (OEPNET)

Reflita e Analise a quinta parte:
– Comente: “Pode recorrer a truques inconscientes, ou conscientes irresponsáveis”.
– Comente: “Por isso a necessidade de que o controle seja feito por mágicos”.
– Comente: “Com truques supre o alimento e a água”.
– O que achou do estudo dos iogues na Índia?

VIª parte
Continuação dos casos de truques – Sara Jacob
“Herbert Thurston apresenta o caso de Sara Jacob Letherneuadd, que, por dezesseis meses não teria tomado a mínima alimentação. Apenas tomou algumas gotas de água durante os primeiros meses deste período, agora nem isso ela toma. Entretanto, ostenta muito boa fisionomia e goza de perfeitas faculdades mentais, em suma uma menina admirável. Em vista da incredulidade das pessoas, resolveu-se fazer uma investigação. Formou-se um comitê de pessoas da mesma localidade, pessoas simples em sua maioria, para exercer rigorosa vigilância, que porém, como se viu depois não foi suficientemente rigorosa. Contribuiu, entretanto, para propagar a maravilha e afluiu grande número de visitantes para a pequena e desconhecida aldeia da Inglaterra.

Em 30 de agosto o Dr. Robert Fowler, em companhia de um advogado, amigo seu, visitaram a sorridente menina. Observando seus olhos vivos e seu aspecto geral, convenceram-se de que não era possível ter ela vivido dois anos somente de ar.

Conseguiram nova investigação, desta vez com maior rigor científico. O período de observação começou a 9 de dezembro de l869… Em questão de oito dias com essa vigilância bem mais exata a menina morreu” … (FRIDERICHS, p. 246-247).

“O caso da menina Sara Jacob que acabou morrendo de fome quando a controlaram: mas a autópsia provou que se alimentava”. (OEPNET)

Jejuns Bíblicos
“Jesus – 40 dias e 40 noites no deserto sem comer, ou mesmo também o jejum de Elias e Moisés não se pode entender ao pé da letra. É penitência, jejum comendo muito pouco, mas não sem comer nada”. (OEPNET)

Reflita e Analise a sexta parte:
– O que você achou do caso da menina Sara Jacob?
– Comente: “mas a autópsia provou que se alimentava”.
– Comente: “É penitência, jejum comendo muito pouco, mas não sem comer nada”.

VIIª parte
O que se passa no corpo
O parapsicólogo Pe. Raimundo, explica o mecanismo que processa no corpo da pessoa na inédia:

“De um problema psicológico qualquer (trauma, medo, esgotamento nervoso, autoafirmação, desequilíbrio, etc.), a pessoa passa a ter anorexia, a qual consiste numa doença psíquica, uma espécie de negação do corpo e de suas próprias necessidades. A vítima não aceita nenhum alimento e o que põe na boca é posto para fora.

Se com o tratamento aplicado não se resolve o problema, restam duas alternativas: ou a morte (o que comumente acontece) ou a inédia (o que raramente acontece).

O processo de inédia apresenta as seguintes características:
a) Economia de energia orgânica – A pessoa fica sempre em repouso, de preferência deitada, e, lentamente, vai suprimindo a atividade digestiva, excretora e urinária.

b) Modificação no metabolismo basal – A vítima passa a transformar, automaticamente, elementos do ambiente (ar, umidade, etc.) em sustentação orgânica. Tanto é que as pessoas em inédia estão com a temperatura do corpo continuamente alterada.

c) Alimentação de si mesmo – A vítima passa a se alimentar das suas próprias reservas. É como se, lentamente, consumisse a si mesma, até ficar pele e osso. Aqui, é bom sempre lembrar a Lavoisier: ‘Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma’. Isso não explica tudo, evidentemente, mas talvez ajude”. (FILHO, p. 62).

Reflita e Analise a sétima parte:
– Comente: “a pessoa passa a ter anorexia, a qual consiste numa doença psíquica, uma espécie de negação do corpo e de suas próprias necessidades”.
– Comente: “A vítima passa a transformar, automaticamente, elementos do ambiente (ar, umidade, etc.) em sustentação orgânica”.
– Comente: “A vítima passa a se alimentar das suas próprias reservas.”

VIIIª parte
Animais e peixes – jejuns

A Inédia traz complicações à saúde do ser humano. Porém, em certos animais não. Os animais em jejuns.
– “Os ursos, comem e depois hibernam por um longo tempo nas cavernas”. (FILHO, p. 62).
– “Há peixes que podem viver mais de cem dias sem alimentar-se, como o salmão.
– Tem-se observado que os tubarões suportam sem perigo cento e doze dias de jejum.
– As tartarugas podem permanecer com vida após quinhentos dias sem alimento.
– Afirmam os zoólogos, que os caimões (um tipo de jacaré) são capazes de jejuar durante dois anos. Apenas saído do ovo, o caimãozinho dorme e começa a greve de fome que dura oito meses.
– A rã pode jejuar um ano
– A víbora vinte meses, as boas (serpentes) vinte e três meses, as cascavéis vinte e sete meses”. (FRIDERICHS, p. 247-248)

Outros casos
– “Os animais de sangue quente, os períodos são bem menores.
– Não obstante se conta que um cachorro, confinando por um tremor de terra, aguentou cento e três dias sem alimentar-se”. (FRIDERICHS, p. 248)
– No que se refere aos insetos. “Algumas espécies de coleópteros podem permanecer mil e duzentos dias sem alimento.
– Os escorpiões suportam semelhantes condições por espaço de um ano inteiro
– Os percevejos, por seu turno, cinco ou seis anos”. (FRIDERICHS, p. 248)

Reflita e Analise:
– Você sabia da inédia em animais. Conhece algum especifico que já viu e passa pelo jejum prolongado?
– Sobre os insetos conhece algum especifico que já viu passar esse jejum prolongado ou tem notícia?

Conclusão
Assim neste trabalho com o tema: sobre Inédia, nesta série do artigo com oito partes encerramos o assunto, que não implica que não voltarei a abordá-lo em outra ocasião sobre outros aspectos. Espero ter ajudado a você internauta a conhecer mais um tema ligada a parapsicologia

Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Parapsicólogo Clinico
ABPSIG – Registro 409

Referência Bibliográfica
FILHO, Pe. Raimundo Elias. Mistério do Aquém e do Além à Luz da Parapsicologia. 2ª edição, Editora Paulus, São Paulo – SP, 2003.
FRIDERICHS, Edvino Augusto. Panorama da Parapsicologia ao Alcance de Todos. 5ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP. 1997.
OEPNET, Texto de Pe. Oscar G. Quevedo S.J. Inédia, Site ativo em 29/04/22.

 

LEIA TAMBÉM

    cat