Seja Bem-vindo, 21 de maio de 2024

Seja Bem-vindo
21 de maio de 2024

DERMOGRAFIA – ESTIGMAS – Número 1

11 de junho de 2022   .   
Compartilhe

Iª parte
Neste trabalho, com esse tema: “Dermografia – Estigmas”, reproduzi em grande parte o texto publicado pelo parapsicólogo Pe. Raimundo (conf. Referência bibliográfica). Em alguns momentos colocando os parágrafos em outra ordem e também introduzindo subtemas aos mesmos. Também acrescentando minhas opiniões com frases e breves comentários, com acréscimo de parênteses. Busquei outras fontes bibliográficas como do Pe. Edvino (conf. Referência bibliográfica), Revista de Parapsicologia Número 23 (conf. Referência bibliográfica), e outros conhecimentos, mesmo não citando, que veem de muitas outras leituras, cursos de curta duração que participei, palestras que assisti, também, outros conhecimentos fruto da experiencia em ver e observar certos casos.

O artigo com esta temática por ser um pouco longo, para facilitar a compreensão do leitor o dividi em oito partes. Tornando-o mais didático.

Etimologia
Dermos = pele
Grafia = escrita.
Significa: gravação na pele.

Sabemos que esse fenômeno é muito antigo. Nós o encontramos nos mais diversos ambientes e circunstância da vida humana. Na prática, trata-se de “pessoas que apresentam na sua pele marcas dos mais variados tipos: letras, números, desenhos, imagens, etc.”. (FILHO, p. 64).

O leitor distraído pode confundir, achando ser tatuagem. Não! Na tatuagem alguém usando técnica marca o corpo da pessoa. Não se trata deste recurso técnico de gravar na pele. Que não discuto se deve ou não fazer. Só lembro ao leitor displicente, para não misturar, confundindo as coisas. (Pe. EMANUEL)

A Pele
“Em todos os casos de dermografia é muito importante a observação de que a pele, por si só, constitui um dos órgãos mais influenciáveis por ações psíquicas”. (FILHO, p. 65). Nossas emoções se manifestam em nosso corpo, especialmente no rosto pálido ou corado. Então, “é notório que a pele humana é dos órgãos mais influenciáveis por sugestões psíquicas. Basta verificar o rosto corado de alguém que mente pela primeira vez ou quando aparece em público, sendo tímido ou complexado. Por isso a causa da dermografia é, sem a menor dúvida, o influxo poderoso da sugestão consciente ou inconsciente sobre o organismo humano”. (FRIDERICHS, 215). “Ademais, a pele pode manifestar patologias (doenças), criadas tanto pela hipnose quanto pela simples autossugestão inconsciente”. (FILHO, p. 65).

Analise um pouco mais:
– Comente: “Pessoas que apresentam na sua pele marcas dos mais variados tipos: letras, números, desenhos, imagens, etc.”.
– Analise: “Em todos os casos de dermografia é muito importante a observação de que a pele, por si só, constitui um dos órgãos mais influenciáveis por ações psíquicas”.

IIª parte
Estigmas – ambiente religioso
“Não obstante os estigmas serem um fenômeno psicossomático, constituem um fenômeno especificamente religioso”. (FRIDERICHS, 214).

“As explicações para esse fenômeno estiveram sujeitas às mais diferentes interpretações, conforme o misticismo próprio do meio sócio religioso de cada época e lugar”. (FILHO, p. 64).

Certas dermografias eram atribuídas a Deus, como é o caso dos sinais dermográficos conhecidos por ‘estigmas’, presentes em muitos dos santos católicos. (FILHO, p. 64).
“Os estigmas dos cristãos representam principalmente as chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo”. (FRIDERICHS, 214).

Lembra o parapsicólogo Pe. Edvino que “os estigmas que pertencem a alguns santos maometanos lembram os ferimentos de guerra do Profeta Maomé”. (FRIDERICHS, 214).

Ambientes não religiosos
“Outras dermografias, em ambientes não religiosos, eram atribuídas facilmente ao demônio, principalmente na época clássica da bruxaria”. (FILHO, p. 64). “Quanto aos feiticeiros medievais, foram muitas vezes marcados com sinais diabólicos ou assim considerados. Eram excrescências, manchas, arranhões, sinais de guerras e mordidas”. (FRIDERICHS, 214).

Reflita e Analise:
– Comente: “Não obstante os estigmas serem um fenômeno psicossomático, constituem um fenômeno especificamente religioso”.
– O que achou da abordagem do texto nesta segunda parte? Você já tinha visto este assunto de dermografia – estigmas?
– Você tem algum questionamento ao texto? Quais?

IIIª parte
Explicação do estigma
Na primeira parte deste artigo fizemos uma breve explicação da dermografia no subtema: A Pele. É bom que confira. A explicação do estigma é praticamente a mesma. Os estigmas são uma espécie de dermografia. “O mecanismo que os explica é o seguinte: a visão alucinatória das Chagas de Cristo, por exemplo, alimentada por horas e horas de contemplação, origina sensações dolorosas imaginárias. Estas sensações são conduzidas até o cérebro que, por sua vez, comando a irrigação sanguínea da pele, provocando uma vasodilatação (rompimento dos vasos) e, consequentemente, o nascimento do estigma (ferida)”. (FILHO, p. 65).

“Complexo de Crucificação”
O fenômeno do estigma, “quando verificado em místicos e santos católicos, é mais conhecido como ‘Complexo de Crucificação’; isto é, há por parte do religioso uma identificação profunda com o sofrimento de Cristo e essa ideia de sofrimento é introjetada gradualmente, provocando muitas, vezes, uma influência do psiquismo sobre o físico”. (FILHO, p. 65).

Podemos concluir sobre a dermografia (ou estigma)
“É um fenômeno humano, natural e explicados pela ciência. Consiste numa ação cerebral sobre o sistema nervoso que comando os corpos capilares da pele.

Não se trata de milagre ou vontade de Deus, privilegiando alguns homens e mulheres com as suas santas Chagas. Os santos são santos não pelas chagas, mas pelo testemunho de vida que conseguiram dar, evidenciando uma fé sem limites no Deus da Vida”. (FILHO, p. 66).

Reflita e Analise:
– O que você achou da explicação da dermografia e do estigma?
– O que você achou do “Complexo de Crucificação”?
– O que você conclui da dermografia e do estigma?

IVª parte
A preocupação, o medo, a angústia e outros sentimentos fortemente negativos agem sobre o organismo. Levando a dermografia. Veja alguns exemplos:

Mãe assusta com portão de ferro que caiu
Veja este fato: “uma senhora, que vendo seu filho passar por um portão de ferro, que caiu no exato momento em que ele atravessava, assustou-se, receando que os pés do menino tivessem sido atingidos. Resultou que no corpo da mãe, nos lugares correspondentes a que ela imaginara o acidente, e principalmente nos calcanhares apareceram riscas vermelhas.”, (LORENZATO). Vemos aqui uma sinalização dermográfica que está relacionada com um forte sentimento de uma imagem negativa. Houve uma ideoplasmia. A Ideia (imagem) forte que a própria mãe produziu no seu inconsciente refletindo na pele.

Feto da mãe
O Parapsicólogo Pe. Raimundo, diz algo que para o Sistema Grisa neste ponto é até mais profundamente estudado. Pois no Sistema Grisa estuda muito a Vida Intrauterina Veja o que ele diz: “largas pesquisas feitas na atualidade, pode-se comprovar a impressão dermográfica em crianças ainda no feto da mãe. É sabido que a criança não só reage pelos estados psíquicos da mãe, como pode ficar seriamente influenciada e marcada por estes estados”. (FILHO, 64). Só que ele fala que esta possibilidade cientifica parece ter inspirado o autor do filme “O Bebê de Rosemary”. Para o Sistema Grisa não é tanto possibilidade. É algo mais concreto e possível. Pois acontece durante a gestação a Psicocinesia. Onde a mente atua sobre a matéria. A mente da mãe atuando sobre o feto.

O filme O Bebê de Rosemary
“Apresenta Rosemary fortemente sugestionada por ter sido escolhida na seita satânica como esposa de Lúcifer. Ela, tendo relações sexuais com o marido, sofre seguidas alucinações: vê, as vezes, o marido, outras vezes, do demônio. Fica gravida, e nove meses depois, grita desesperada quando vai ver o seu filho pela primeira vez. O bebê trazia no seu corpo as marcas do demônio, comprovando a sua filiação diabólica”.
(FILHO, 64-65).

Confesso que não assisti ao filme. Tem esse comentário do mesmo que achei importante citar. É um exemplo muito forte. No Sistema Grisa não precisa de um exemplo tão forte assim para mostrar que os sentimentos da mãe tanto positivos, negativos, de medo, e tantos outros canaliza para o feto acontecendo de a mente da mãe atuar sobre a criança, trazendo traços físicos e psíquicos sobre o filho.

Reflita e Analise:
– O que achou do exemplo: Mãe assusta com portão de ferro que caiu?
– Analise: “largas pesquisas feitas na atualidade, pode-se comprovar a impressão dermográfica em crianças ainda no feto da mãe”.
– O que achou do exemplo: O filme O Bebê de Rosemary?
– Por isso é sempre importante a mulher preocupar com uma gravidez sadia, confiante e tranquila, tenha fé e esperança. Tendo assim uma boa gestação e parto, para nascimento de filhos sadios fisicamente e psicologicamente.

Vª parte
Outros exemplos:
Verruga colorida
“O fato de um menino que nasceu com uma verruga colorida e com pelos devido ao grande medo mãe parturiente”. (FRIDERICHS, 212)

Mãos azuis
“Tem também o fato da mãe “que deu à luz um menino com mãos azuis impressionada patologicamente pelas mãos de um tintureiro”. (FRIDERICHS, 212)

Histérica
Há caso de uma histérica que provocava estigmas em si à vontade.

Aparecida e desaparecia
O Parapsicólogo francês fala de um caso de dermografia: “realizada pelo inconsciente, que, em determinada pessoa, em questão de 15 (quinze) minutos aparecida e desaparecia”. (FRIDERICHS, 212).

Imagem da vaca no peito
“Em 1857, apresentaram na ‘Academie des Sciences’ uma mulher, que, tomando conta de sua vaca foi surpreendida por uma tempestade. Abrigou-se embaixo de uma arvore, que pouco depois foi atingida por um raio. A vaca morreu e a mulher caiu desmaiada. Ao socorre-la verificaram que, impressa em seu peito estava a imagem da vaca que morrera. Presumiram então que a vaca, vivamente iluminada pelo raio que caiu justo no momento em que a mulher era tomada pelo pânico, causou um reflexo psíquico produzindo estigma” (FRIDERICHS, 212)

Reflita e Analise:
– O que você achou do exemplo da verruga colorida?
– O que você achou do exemplo do menino de mãos azuis?
– O que você achou do exemplo da imagem da vaca no peito?

VIª parte
Mais um exemplo – Nasceu só com uma orelha
“ O DR. Leclerc-Montmoyen apresenta o seguinte caso negativo: ‘Um dia vi entrar em meu consultório uma moça, por mim assistida em seus dois partos. Tinha os traços crispados, denotando grande agitação: ‘Doutor – disse ela – vim vê-lo há 15 dia atrás, e o Sr. Disse que eu estava gravida pela terceira vez. Saindo daqui cruzei na rua com aquele velho, o vendedor de manteiga que o Sr. Conhece e que tem uma só orelha, pois a outra foi decepada por uma espada; acabei por encontra-lo de novo. Estou muito emocionada. Caso eu esteja gravida, pelo que o Sr. me deu a entender, tenho medo que a criança venha a nascer só com uma orelha… Tentei tranquilizar minha cliente, explicando-lhe que tudo isso baseava-se em temores infundados. Apesar de mais tranquila, essa ideia não lhe sai da cabeça. Chegou o dia do parto. E qual não foi meu espanto, no momento da expulsão da cabeça, vendo que no lugar da orelha esquerda não havia nada, nem a concha, nem o pavilhão, nem o orifício externo do canal auditivo. Via-se apenas a superfície unida por uma pele sã com uma ligeira retração na parte superior da comissura labial esquerda, tornando-se mais acentuada quando a criança começou a chorar…” (FRIDERICHS, 212-213)

Reflita e Analise:
– O exemplo da criança (visto acima) são mais um exemplo negativo de dermografia?
– Volto a repetir aqui o que disse na quarta parte: é sempre importante a mulher preocupar com uma gravidez sadia, confiante e tranquila, tenha fé e esperança. Tendo assim uma boa gestação e parto para nascimento de filhos sadios fisicamente e psicologicamente.

VIIª parte
Dermografia em animais
A gata pariu o gatinho com a marca no peito 1921

A dermografia não ocorre somente aos seres humanos, mas também em animais. Um exemplo destacado pela escola de parapsicologia do Instituto Pe. Quevedo, por causa do estudo sério feito do caso, esse de uma gata que pariu um gatinho marcado no peito com o número 1921. Este caso foi devidamente estudado com seriedade pelo Instituto Metapsíquico Internacional de Paris.

“Em 1921, o Sr. Duquet, um dos veterinários mais conceituados de Nice, foi incumbido pelo jornal local, o ‘Eclaireur’ de Nice, para examinar um fenômeno estranho ocorrido no interior de uma padaria da cidade.

O fato foi verificado pelo veterinário e publicado naquele jornal devidamente ilustrado por fotografias do local e dos números impressos no gatinho, que apareciam perfeitamente nítidos.

O Instituto enviou ao local um dos seus correspondentes, o Sr. Prozor assistido pelos senhores Duquet e pelo secretário do Consulado da Rússia em Nice.

No documento escrito ao Instituto, os encarregados declararam: ‘as manchas cinza-escuros estão dispostas como algarismos sobre um fundo mais claro e são formados por pelos naturais sem nenhum vestígio de corante’.

Os algarismos, pela sua forma, imitam os que se encontram escritos nos sacos comprados em uma fábrica de massas alimentícias, pelo Sr. Davic, que é padeiro. Alguns desses sacos tem em cima do número, três estrelas. Verificamos também que o número constante no peito do gato apresenta em sua parte superior três manchas pequenas. A ninhada à qual pertencia o gato, estavam ainda três outros, dos quais um cinzento, igual à mãe e tem a mesma inscrição, localizada mais abaixo, atravessada na barriga, porém menos visível.

‘Fotografamos os dois gatos e os sacos. Atestamos formalmente que o exame por nós realizados, não dá margem às suposições ou a qualquer outra espécie de fraude’.

E qual havia sido o processo de formação? O Conde Prozor soube que já na metade da gestação, a gata perseguia um rato, que se escondeu atrás de um saco de farinha que não tinha nenhuma inscrição. Para impedir que a gata, com suas garras rasgasse o saco de farinha, a Sra. Davic jogou um saco vazio para proteger o cheio. Tendo sido sua caça parcialmente impedida, mesmo assim a gata não desistiu da caçada e durante horas a fio, ficou à espreita, com os olhos fixos no saco vazio que levava a inscrição “1921” e acima três estrelas”. (LORENZATO).

“Neste caso, um fato comprovado, sem fraudes, sem truques, aconteceu a chamada ‘ideoplastia’, isto é, a ideia da mãe plasmada no filho”. (LORENZATO).

Reflita e Analise:
– O que você achou deste caso da gata que pariu o gatinho com a marca no peito 1921?
– Você conhece algum exemplo parecido de dermografia em animais?
– Você teria questionamentos ao texto nesta sétima parte? Quais?

VIIIª parte
Dados importantes
Mesmo o livro “Panorama da Parapsicologia ao alcance de todos” tendo sido publicado por Pe. Edvino final dos anos 70, e possivelmente o dado que ele passa seja desta época, achei importante passa-lo neste artigo sobre dermografia – estigmas.

Dados de estigmatizados católicos
“O Dr. Imbert-Gourbeyre, professor da Faculdade de Medicina de Clermont, recolheu os estigmatizados católicos. Enumerou 321 casos, sendo 41 de homens e 280 de mulheres. Um caso masculino para sete femininos. Do total, apenas 10 são leigos e os demais religiosos”. (FRIDERICHS, 215)

Depois o parapsicólogo Pe. Edvino apresenta logo a seguir mais dados, que não dando uma explicação do mesmo, ficando controverso em relação aos dados acima quando se trata de números. Ele diz que: “Geograficamente a Itália possui a maior parte, de caos de estigmatizados, 299, seguida pela França com 70, a Espanha com 47, Alemanha com 33 e apenas um caso na América, verificado no Peru. 109 são dominicanos, 102 franciscanos, 14 carmelitas homens e outras tantas mulheres; 12 da ordem da visitação, 8 agostinianos, 3 jesuítas e mais alguns isolados. Desse total apenas 61 foram canonizados ou beatificados”. (FRIDERICHS, 215)

Influência das ideias da mãe sobre o feto
“A realidade da influência do pensamento, das ideias das mães sobre os filhos era conhecida das antigas matronas gregas e romanas. Acreditando que este fenômeno parapsicológico raro, fosse mais comum, passavam elas horas inteiras contemplando as estátuas de seus deuses e ídolos, certas de que esta contemplação produziria efeitos semelhantes nos fetos em gestação. Entre a classe média, era comum ter no quarto, estátuas de rara beleza, na convicção de que a beleza da estátua se refletiria no filho mediante a contemplação da mãe. É chamada ideoplasmia das mães, que tanto pode ser positiva quanto negativa, dependendo da ideia dominante”. (LORENZATO).

Reflita e Analise:
– O que você achou dos dados apresentados nesta última parte do artigo?
– O que você achou dessa informação da Influência das ideias da mãe sobre o feto, tanto na Idade Antiga como na Idade Média?

Conclusão
Assim neste trabalho com o tema: sobre “dermografia – estigmas” nesta série com oito partes encerramos o assunto, que não implica que não voltarei a abordá-lo em outra ocasião sobre outros aspectos. Espero ter ajudado a você internauta a conhecer mais um tema ligada a parapsicologia.

Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Parapsicólogo Clinico
ABPSIG – Registro 409

Referência Bibliográfica
FILHO, Pe. Raimundo Elias. Mistério do Aquém e do Além à Luz da Parapsicologia. 2ª edição, Editora Paulus, São Paulo – SP, 2003.
FRIDERICHS, Edvino Augusto. Panorama da Parapsicologia ao Alcance de Todos. 5ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP. 1997.
LORENZATO, José – Revista de Parapsicologia Número 23, elaborada pelo CLAP -Centro Latino Americano de Parapsicologia

LEIA TAMBÉM

    cat